terça-feira, 9 de abril de 2013

Capitulo 2


Enquanto comia, sentia-me observada. É estranho, não é? Olhei á minha volta, ninguém me olhava, mas continuava a sentir-me observada... Decidi ir á casa de banho. Avisei a Emma e lá fui eu.
Pelo caminho, esbarrei com alguém e cai com o rabo no chão.
- Au! - Queixei-me.
- Oh! Desculpa. Eu sou mesmo desastrado. Deixa-me ajudar-te - disse ele, estendendo-me a mão.
"Espera lá! Eu conheço esta voz de algum lado...", pensei, mas guardei esse pensamento para mim.
Aceitei a ajuda do rapaz e ganhei coragem para encará-lo.
- Oh! My god! - Disse eu, surpreendida.
- Cat?! És mesmo tu?
Abanei a cabeça afirmativamente, ainda em choque.
- Oh my god! És mesmo tu. Não acredito. - Disse ele, abraçando-me de seguida, e eu correspondi, claro.
Que saudades que eu tinha dos abraços quentes e reconfortantes do meu Tommy. Com a emoção, desatei a chorar.
- Oh! Estou a ver que não mudaste nada. - Riu-se. - Tive tantas saudades tuas, pequenina. - Disse ele, apertando-me mais.
- E eu tuas, Tom-Tom. - Sussurrei.
- Ainda te lembras. - Constatou, rindo.
Afastei-me um pouco, para encara-lo. Nem queria acreditar, ele estava na mesma, tinha o mesmo estilo, o mesmo corte de cabelo (curto), os mesmos olhos castanhos que me transmitiam sempre tanta calma, transmitia o mesmo calor... E estava mais giro, como é óbvio.
- Como é que eu me podia esquecer? - Ele sorriu, dando-me um beijo na testa.
- Então? O que estás aqui a fazer? - Perguntou-me.
- Bem, eu e a Emma saímos ontem do centro e decidimos vir para Londres.
- Hum... E já têm trabalho, ou sitio onde ficar?
- Sim, por isso é que estamos aqui.
- Então?
Contei-lhe todo o nosso percurso até aqui. Ele até ficou surpreendido com a nossa sorte.
- Não é toda a gente que consegue uma casa e um trabalho ao mesmo tempo. - Constatou.
E é verdade. Nem toda a gente tem a sorte que nós tivemos.
- Bem, tenho de ir. - Anunciou, olhando para o relógio. - Ainda tens o mesmo número?
- Ahm! Sim. Mas eu não tenho o teu. - Disse eu, coçando a cabeça.
- Então, eu depois ligo-te, para combinarmos qualquer coisa, para falarmos melhor.
- Ok. Vou ficar á espera. - Disse eu, sorrindo.
Ele sorriu também, dando-me um abraço e um beijo na face, e foi-se embora.
Eu fiquei a vê-lo a caminhar para a porta, com um sorriso parvo na cara.

Vou passar a explicar: o Tom foi o meu melhor amigo á uns anos atrás. Quer dizer, ainda é, acho eu... Continuando, ele entrou para o nosso centro de acolhimento dois anos depois de nós. Foi tirado á família, com apenas 4 anos, mas foi entregue a um casal de meia-idade, que morreu um ano depois, entrando no centro com 6 anos.
Ao principio eu não gostava lá muito dele, porque ele parecia um pouco chunga, mas depois fui conhecendo-o melhor até que nos tornámos inseparáveis.
Quando ficámos um pouco mais velhos, lá para os 14/15 anos, eu apaixonei-me por ele e, um dia, estávamos os dois sozinhos, a falar, estávamos muito próximos um do outro e, por impulso, beijei-o... Pois... E por "azar", ele foi adoptado e veio para Londres. Desde ai que não o vejo, nem falo com ele, até aquele dia...

Voltei para o pé da Emma.
- Tanto tempo na casa de banho. O que andaste a fazer?
- Bem, eu não fui á casa de banho... - Confessei, coçando a cabeça.
- Não? - Perguntou a Emma, confusa.
- Não, não cheguei a ir... Encontrei uma pessoa...pelo caminho.
- Ai Jesus! Quem é que tu encontraste?
- Ahm! Lembraste do Tom?
- Claro que me lembro, como é que me podia esquecer. Nós éramos tipo os três mosqueteiros, lembraste?
- Sim. - Ri-me.
Continuamos a falar sobre o Tom e a recordar momentos, enquanto acabávamos de comer.
Acabamos minutos depois. Levamos o tabuleiro para o balcão e fomos esperar a Julie lá para fora. Poucos minutos depois, já estávamos a caminho da nossa nova casa.
Depois de trinta minutos de viagem de carro, parámos á frente de um edifício branco com uma porta preta seguida de uma pequena escadaria. O edifício era lindo, tinha adornos e assim. Saímos do carro.
- É aqui? - Perguntei.
- É. - Respondeu-me a Julie. - Aqui têm as chaves. - Disse ela, entregando-as á Emma. - É uma para cada uma e outra para reserva. Tomem também o meu número, para o caso de precisarem de alguma coisa. - Informou-nos, e deu-nos um cartão com os seus contactos. - E pronto... Ah! Ao fundo da rua têm uma mercearia, onde podem comprar mantimentos. Pronto, agora estão por vossa conta. Se precisarem de alguma coisa não hesitem em ligar.
- Obrigada por tudo, Julie. - Agradeceu a Emma.
- Oh! Não precisam de agradecer. - Atalhou ela. - Vá, agora vão, e desfrutem da nova casa. - Disse ela, sorrindo.
E nós fomos, depois de nos despedirmos devidamente da Julie.
Demos uns passos até ás escadas. Parámos lá á frente, olhamos uma para a outra, sorrimos, demos as mãos e subimos.
A Emma pôs a chave na fechadura, rodando a mesma. A porta abriu-se Nós sustemos a respiração.
Para começar, um pequeno hall de entrada com uns cabides, do lado esquerdo da porta, e uma escadaria, do lado direito.
Entramos. Deixamos as malas á entrada e continuamos a explorar.
A sala, my god! As paredes são todas de um lilás clarinho; mais ou menos ao meio da sala, um sofá branco, médio; á frente do mesmo, uma mezinha de centro, redonda e de vidro, depois, um móvel com um plasma em cima; atrás do sofá, uma estante, com alguns livros e, do lado esquerdo do sofá, um pequeno sofá, igualmente branco.
- Isto parece que foi feito para nó... - Observou a Emma.
Realmente, parecia mesmo...
Prosseguimos para a cozinha, que é á frente da sala. É uma cozinha normal, toda em branco e com uma mesa para quatro pessoas e com as respectivas cadeiras.
Passamos para o andar de cima. No cimo das escadas, encontramos um corredor com uma porta do lado esquerdo e duas do lado direito. Por instinto, escolhi a do lado esquerdo. A Emma escolheu a do lado das escadas. Abrimos as portas as duas ao mesmo tempo.
- Uau! - Exclamamos, em uníssono.
Quando abri a porta, deparei-me com um quarto de sonho, é a minha cara, o que é estranho, mas pronto, vou passar a descrevê-lo: as paredes são de um azul-bebé, com uma cama, relativamente grande, encostada á parede, com um edredão branco e duas almofadas e outras duas azul bebé, do lado esquerdo da cama, uma mesinha de cabeceira, branca, com um candeeiro azul e branco, uma moldura e uma caixinha de jóias vermelha, ao pé da janela, uma chesselongue azul, com uma almofada da mesma cor, atrás, uma estante, branca, com alguns livros, e do lado direito, uma escrevaninha branca, com uma cadeira de escritório da mesma cor. No lado esquerdo da cama, ao lado da mesinha de cabeceira, reparei que havia uma entrada. Fui até lá e entrei. Quando se entra, vê-se uma porta, branca, mas essa deixei para depois. Virei-me para o lado e acendi a luz.
- Oh my god! - Exclamei, levando a mão á boca.
Eu nem queria acreditar, um closet, só para mim. Dirigi-me á tal porta, abrindo-a. Uma casa de banho, também era azul-bebé e branca e tinha um polibam e uma banheira, relativamente grande.
Decidi ir á janela. "Uh! Uma varanda", pensei. Abri a janela, que é de correr, e avancei. Olhei para baixo e deparei-me com...UMA PESCINA!
- Emma! - Gritei.
Ela chegou ao pé de mim, segundos depois.
- Uau! O teu quarto é brutal. - Observou. - O que se passa?
- Vê com os teus próprios olhos. - Afastei-me e ela avançou, olhando para baixo.
- Oh my god! Nós temos uma piscina! - E foi a correr lá para baixo.
Fui atrás dela, mas antes, fui espreitar o quarto dela. É parecido ao meu, só que é vermelho e branco. Lá fui eu para baixo.
O que vai dar á piscina é a janela da sala, igual á minha.
A Emma já estava lá dentro.
- Entraste na piscina, com este frio!?
- Sim. Está mesmo boa. Anda também.
- Não, obrigada.
- Ok, então ajuda-me a sair. - Pediu-me, esticando o braço.
Como boa amiga que sou, fui ajudá-la, só que, no momento em que a puxei para fora, ela puxa-me para dentro.
- Arg! Vais pagá-las, Emma! - Ameacei.
Ela ria-se á gargalhada.
- O que vais fazer? Afogar-me? - Dizia, entre gargalhadas.
Foi a gota de água. Nadei até ela, e comecei a mandar-lhe água á cara, e ela à minha.
(...)



Olá! :D Como estão hoje? Eu cá sinto-me super contente ^^ Hoje fui fazer uma mudança de visual e sinto-me super gira e leve. Mas bem, vamos ao que interessa, não é? O que acharam deste novo capitulo?? Vocês vão adorar os próximos capítulos ^^ Mas vá, agora lêem este e eu talvez ponha o capitulo 3 ainda hoje, mas isso só depende de vocês. Dêem-me 3 comentários e eu ponho, ok? ^^

2 comentários: